sábado, 15 de fevereiro de 2014

Força Nacional faz balanço de atuação na Amazônia

A Força Nacional de Segurança Pública divulgou, durante toda a semana, números relacionados às operações executadas entre 2008 e 2013, na Amazônia. Os agentes atuaram reprimindo, principalmente, crimes ambientais, em especial o desmatamento, a extração e o comércio ilegal de madeira. Em cinco anos, foram apreendidos 868 mil metros cúbicos de madeira, 266 motoserras e 194 tratores. Nesse período também foram fiscalizadas 1.022 serrarias e aplicadas multas de R$ 280,1 milhões.


Segundo a secretária Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, Regina Miki, as ações ocorrem em apoio ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Ibama) e à Polícia Federal. "Temos obtido êxito nas diversas operações de combate aos crimes ambientais. O foco é coibir o desmatamento ilegal em áreas críticas e quaisquer atividades ilegais que atinjam o patrimônio natural brasileiro", explicou.

Os dados de apreensões realizadas e multas aplicadas são um somatório das operações Arco de Fogo, desencadeada no Maranhão, Rondônia e Mato Grosso; Defesa da Vida, desenvolvida em fases diferentes no Amazonas, Mato Grosso, Maranhão, Pará e Rondônia; e as operações Onda Verde e Curupira, realizadas no Mato Grosso, Pará e Rondônia, combatendo ilícitos ambientais, especialmente a derrubada de árvores, a retirada e a venda das toras. As ações são planejadas e monitoradas por um Gabinete de Gestão Integrada sob a Coordenação do Ministério do Meio Ambiente.

Parte das ações segue em 2014 e outras podem ser iniciadas, caso a Força Nacional volte a ser acionada. "Neste momento, continuamos apoiando o Ibama na operação Onda Verde, nos municípios de Vera e Aripuanã (MT), São Félix do Xingú e Novo Progresso (PA) e Humaitá (AM), todas com bases instaladas entre fevereiro e agosto do ano passado para coibir o desmatamento ilegal", informa o diretor da FNSP, tenente-coronel PM Alexandre Aragon.

Outro exemplo de combate a ilícitos ambientais foi feito pela Força Nacional em Pimenta Bueno (RO), entre dezembro de 2008 e agosto de 2013. Durante esse período, as equipes realizaram ações de combate à extração mineral no interior da Reserva Indígena Roosevelt. Além disso, a tropa atua em apoio às ações da PF, Forças Armadas e polícias estaduais nas fronteiras do Brasil, para combater o tráfico de drogas, armas e munições, entrada de produtos ilícitos e saída ilegal de riquezas, como recursos animais, vegetais e minerais.

Permanência da Força Nacional é renovada em Belo Monte

A pedido do ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, os homens da Força Nacional de Segurança permanecerão atuando na região das obras de construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu, no Pará. Segundo portaria do Ministério da Justiça publicada ontem no Diário Oficial da União (DOU), a medida visa a garantir a “incolumidade das pessoas, do patrimônio e a manutenção da ordem pública dos locais em que se desenvolvem as obras, demarcações, serviços e demais atividades” relacionadas à construção da hidrelétrica.

Presente em Belo Monte desde julho do ano passado, a Força Nacional ficará por pelo menos mais 180 dias na região, marcada por greves e ocupações de trabalhadores e índios reivindicando direitos.

ORM Por: Rafael Querrer (sucursal em Brasília)

Nenhum comentário:

Postar um comentário