segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Policial é suspeito de matar homem em Santarém

A  Polícia Civil de Santarém acredita que o autor dos disparos que matou um homem na madrugada de sábado (15), no bairro Maracanã, no município do oeste do Pará, é um policial militar que atua como cabo no Policiamento de Trânsito (Ptran). A polícia chegou a essa conclusão após ouvir depoimentos de testemunhas consideradas fundamentais.
 
Foto: No Tapajós
Segundo o delegado que investiga o caso, Jardel Guimarães, duas pessoas já foram ouvidas. Uma mulher que estava com o policial e um rapaz que estava com a vítima no momento do crime. 'Uma testemunha ocular relatou e declinou o nome de um policial militar, um agente de segurança pública que teria sido a pessoa que efetuou os disparos de arma de fogo'.


O rapaz que estava com a vítima não quis ser identificado, mas prestou depoimento na manhã desta segunda-feira (16) e contou detalhes sobre o crime. 'A gente saiu para consumir droga no mato, quando a gente ia passando tinha um rapaz com uma moça atrás do muro. Ai ele disse: ‘eu vou ver quem é, senão, não vou fumar direito’.

Fomos chegando perto do rapaz e ele sacou a arma e disse ‘sai fora que é polícia’. Aí na hora que ele [vítima] levantou os braços disse: ‘só vim ver quem era’, aí aconteceu o disparo e eu sai correndo e só vi a moto funcionado. Ele [policial] rodeou a rua e eu ouvi o rapaz pedindo socorro'.

Segundo ele, o policial foi autor dos disparos. Após o crime, o próprio suspeito acionou a polícia e chamou a equipe do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

O delegado informou que o suspeito e novas testemunhas serão ouvidos ainda nesta segunda-feira (16) para saber o que motivou o crime. 'Nós precisamos trazer mais elementos, mais provas apara os autos do inquérito policial, precisamos ouvir a pessoa que está sendo acusada de autora do delito para que o inquérito seja concluído e nós possamos apresentar a autoria quanto a materialidade', concluiu Guimarães.

Entenda o caso

O jovem Ander Cleverton Soares Cunha, de 25 anos, foi assassinado com um tiro no peito após sair de uma festa na madrugada de sábado (15). A polícia encontrou o homem ferido embaixo de uma árvore, na Rua Caritas, no bairro Maracanã. A vítima foi socorrida, mas morreu no hospital municipal. Segundo a polícia, os próprios policiais militares que atenderam a ocorrência utilizaram o celular da vítima para avisar a esposa dele.

(No Tapajós)

Nenhum comentário:

Postar um comentário