quinta-feira, 20 de junho de 2013

Recolhida ao CRI mulher que ajudou a matar marido

Francisco da Silva Ferreira, 33, foi assassinado no dia 28 de Abril deste ano depois de uma discussão com o próprio cunhado, Sérgio da Conceição Rodrigues. O homem foi morto com 18 facadas, que, segundo testemunhas, teriam sido desferidas por Sérgio, com a ajuda de Celma da Conceição Rodrigues, que era esposa de Francisco. O crime aconteceu no distrito de Moraes de Almeida, porta de entrada da zona garimpeira de Itaituba, Oeste do Estado. Após cometer o assassinato, o assassino tomou rumo ignorado e foi localizado dois dias depois, já no garimpo Água Branca.
Casal aparentava tranquilidade, mas vivia em frequentes conflitos


Conduzido à Seccional de Polícia de Itaituba, Sérgio foi ouvido pelo escrivão Raimundo Carvalho Neto, na presença do delegado José Dias Bezerra, que presidiu o inquérito. Ele contou que o cunhado o estava convidando para beber, mas ele (Sérgio) recusava, ao que, segundo relatou o acusado, Francisco teria se exaltado e tentado agredi-lo.

 “Eu não queria beber, mas ele insistia. Eu recusei e ele tentou me bater. Eu até corri, mas ele foi atrás de mim. Eu peguei a faca e ‘furei’ ele”, resumiu o assassino. Por outro lado, testemunhas do assassinato afirmaram que Sérgio contou com o apoio da irmã, esposa de Francisco, para matar o cunhado. “Há informações contidas no depoimento das testemunhas que dão conta de que essa mulher usou uma faca-de-serra para furar o próprio marido. Ou seja, ela não é co-autora, é homicida também, e o agravante é que a vítima era marido dela e o casal, inclusive, já concebido uma filha”, disse o escrivão.

Menos de dois meses depois do assassinato de Francisco da Silva Ferreira, por intermédio de mandado de prisão preventiva, a mulher foi localizada em Itaituba. Celma da Conceição Rodrigues recebeu voz de prisão e foi conduzida, direto, para o Centro de Recuperação de Itaituba (CRI), onde permanece aguardando julgamento, junto com o irmão.

MauroTorres

Nenhum comentário:

Postar um comentário