terça-feira, 7 de maio de 2013

Polícia Civil do Pará deflagra Operação Blitz



A Polícia Civil do Pará deflagrou a “Operação Blitz” na manhã desta terça-feira, 7, para prender acusados de fraudar a emissão de Carteira Nacional de Habilitação (CNH). São 69 pedidos de prisões preventivas e 86 mandados de busca e apreensão, sendo que 34 detenções foram executadas até o final da manhã desta terça-feira, 7, incluindo membros de alguns Centros de Formação de Condutores (CFC), as chamadas auto-escolas, que facilitavam o processo de emissão por meio fraudulento.


No total, 70 equipes da Polícia Civil estão nas ruas executando os mandados. A operação é realizada em parceria com o Ministério Público do Estado e o Poder Judiciário, nos municípios de Belém, Ananindeua, Bragança, Capanema, Cametá, Moju, Castanhal, Abaetetuba, Paragominas, Tomé-Açu e Conceição do Araguaia, assim como na capital do Amazonas, Manaus, o que demonstra que o esquema era interestadual, pois envolvia transferência de processos de habilitação entre outros Estados.

"A investigação policial teve início há um ano, quanfo foram detectados indícios das fraudes. Todas as Circunscrições Regionais de Trânsito (Ciretrans) foram investigadas, quando descobriu-se que as fraudes envolviam a venda de CNHs", explica o delegado geral Rilmar Firmino.

De acordo com as investigações, as pessoas sequer realizavam os exames determinados pelo Código de Trânsito Brasileiro. "A Polícia Civil, em parceria com o Ministério Público, fez uma representação junto ao Poder Judiciário, que decretou 69 mandados de prisões e 86 de busca e apreensão a serem cumpridas em 18 municípios nos estados do Pará e Amazonas", completa. Dos envolvidos com a prisão decretada, 30 deles são servidores públicos, entre eles o Procurador Geral do Departamento de Trânsito do Pará (Detran).

Os preços cobrados pelos esquemas fraudulentos variavam de R$ 1,2 a R$ 4 mil e dependiam do pacote de serviços oferecidos aos candidatos inabilitados. O valor também variava conforme a categoria pretendida. A Polícia Civil também confirmou que o esquema envolvia transferência de processos de habilitação entre outros Estados.

Os candidatos davam início ao processo de habilitação em alguns estados da Federação (como Amazonas ou Goiás) e finalizavam no Pará. As investigações continuam durante todo o dia. No final da tarde, o delegado geral concederá entrevista para dar detalhes de toda a operação.

Detran
O superintendente do Detran, Walter Pena, ressaltou que a Operação Blitz teve total apoio da direção do órgão e que, às vezes, "é necessário cortar na carne para sanear a administração pública". Walter Pena ressaltou também que, logo no primeiro ano de governo, foram detectadas as irregularidades nas estatísticas sobre a emissão de CNHs no Pará.

De cada 10 solicitadas, nove eram aprovadas. A média nacional é a emissão de quatro para cada dez solicitadas. "A operação vem sendo executada há um ano pela Polícia Civil e mostra que as suspeitas levantadas tinham fundamento e que era necessário agir dentro da legalidade para sanear ações administrativas no Detran".
(Ag. Pará)

Nenhum comentário:

Postar um comentário